O estudante foi baleado no tórax durante o assalto e teve o pulmão perfurado.

“Eu tinha saído da natação às 20h, da piscina do Campus Uvaranas, e fui esperar o ônibus no ponto ali em frente, que é pouco movimentado e sem iluminação adequada.” O cenário sombrio é descrito pelo intercambista Eric Acuña Navarro, 28 anos, que teve o pulmão perfurado com um tiro no tórax em assalto ocorrido em 24 de maio, dentro do campus de Uvaranas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Foto: Divulgação

Segundo informações do setor de comunicação do Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU-UEPG) o pesquisador Éric Navarro recebeu alta hospitalar na quarta-feira (31). O paciente teve assistência médica e pscicológica por parte das equipes do Hospital. O estudante de pós-graduação de odontologia  esteve internado no HU desde o dia 24. Devido um assalto ocorrido no Campus de Uvaranas da UEPG, o acadêmico foi vítima de um disparo de arma de fogo no tórax.

As informações oficiais do HU dão conta de que a Universidade já implementou o policamento preventivo dentro do Campus e deve promever o debate sobre segurnaça pública nos próximos dias, através da criação de uma Comissão de Segurança. Confira a nota ofical do Hospital Universitário sobre o caso do estudante Éric Navarro:

Foto: William Clarindo

Em reunião na segunda-feira (29), o Conselho de Administração (CA) da UEPG discutiu questões cabíveis e estratégias para combater a insegurança dentro da Universidade. Representantes dos servidores e técnicos sugeriam que fosse criada duas Comissões de Segurança: uma do campus central e outra do campus de Uvaranas.

 

Foto: Nicolas Ribeiro

Algumas medidas foram tomadas para a melhoria da segurança no Campus de Uvaranas, é o que afirma o coordenador de comunicação da UEPG, Neomil Macedo, após o ocorrido do último dia 24, quando o estudante de pós-graduação em Odontologia, Eric Dario Acuña Navarro, foi baleado durante um assalto dentro da universidade. 

Foto: Angelo Rocha

Na sexta-feira (26), o Cacique Mapu Huni Kui e seu pai, o Pajé Isaka Huni Kui estiveram na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e conversaram sobre as medicinas curativas populares, além de explicar como funciona a organização.

Os índigenas Huni Kui coordenam o "Centro de Cultura Huni Kui e Pesquisas Medicinais Huwa Karu Yuxibu". O intuito da organização é a revitalização do Parque Ecológico Municipal Seringueiro - em Plácido de Castro, a 97 km de Rio Branco, no Acre -, além de possibilitar gratuitamente atividades de fortalecimento da identidade indígena. Confira o material audiovisual gerado a partir desse encontro: