Foto: Hygor Leonardo

Como alternativa ao desemprego, trabalhadores recorrem à prestação de serviços informais, o que, muitas vezes, dificulta a garantia de direitos trabalhistas.

O atual governo lançou propostas de reforma de previdência e reforma trabalhista em 2017. As mudanças afetarão também os trabalhadores informais, mais de 32 milhões de brasileiros trabalham sem carteira assinada e foram excluídos das reformas nas leis trabalhistas, e segundo especialistas caso realmente haja a reforma o número de desempregados e trabalhadores informais aumentará, assim cada vez mais cidadãos serão excluídos no acesso aos direitos do trabalhador.

Contudo, alguns trabalhadores optam pela autonomia como forma de ter uma renda extra ou até maior do que no mercado formal, como é o exemplo de aulas particulares a custos menores, em relação a escolas privadas. 

A Agência do Trabalhador de Ponta Grossa ofecereu, em 2017, 5.200 vagas, sendo que mais da metade foi preenchida, efetivando boa parte dos funcionários.  


Foto: Juliana Krol