A primeira coisa que preciso dizer é que, hoje, ler a crítica da ombudsman da Folha de S.Paulo é um dos programas preferidos do meu domingo.

Recentemente, fiz um treinamento no jornal e tive uma atitude de tiete ao conhecer Vera Guimarães, que foi ombudsman entre 2014 e 2016, sempre com críticas ácidas.

"Vera, domingo era dia de abrir uma cervejinha e comer canudinho de maionese enquanto lia seus comentários. Você renovava semanalmente minha esperança no Jornalismo", disse a ela.

Fiquei com vergonha, mas, pra mim, a autocrítica de um jornal é fundamental para o processo que leva a um conteúdo informativo, relevante e conectado com o público. E tem que ter coragem para muitas vezes bater de frente e chamar a atenção para pontos relevantes.

Não é à toa que a palavra "ombudsman", do sueco, tem o sentido de "delegado". É uma função que costuma desagradar. Mas jornalista não pode (só) se preocupar em agradar.

Durante a faculdade de Jornalismo, na UFPR, fui chefe do telejornal laboratório. Um dos sonhos era ter um ombudsman para analisar o conteúdo, mas isso nunca foi possível. Por isso, pra mim agora é uma alegria pertencer a este espaço.

Parabéns aos estudantes da UEPG, que também têm esta percepção sobre a importância da autocrítica.

Analisando a semana de produção, percebi um empenho grande dos alunos em abordar de forma multimídia temas de interesse à cidade e à comunidade acadêmica, que é realmente o que deve ser priorizado. Os assuntos demonstram conexão com a realidade, o entorno e o interesse público.

O tema da possível perda de proteção ambiental da escarpa devoniana é, ao meu ver, um dos tópicos mais relevantes da região neste momento. Acertada a decisão em começar o telejornal com este tema. Vale continuar no assunto e aprofundar a discussão com outras abordagens.

O comentário sobre o Meta4 e Tide ficou interessante, mas é importante fazer também uma matéria imparcial sobre os dois assuntos, explicando ao espectador o que significam e qual o impacto para a comunidade.

A matéria sobre o preconceito a trans é assunto pertinente e tratado de forma sensível.

Já as duas sobre o agosto colorido (azul e dourado) ficaram confusas. Às vezes, a efeméride pode abordar assuntos relevantes (aleitamento materno, doação de leite e paternidade jovem) sem, necessariamente, focar na data. Destaque para o bom uso de dados na passagem da matéria sobre a paternidade.

A entrevista com o técnico do Operário também foi interessante, por conta do factual, porém a edição poderia ser mais crítica e sucinta. Fica o recado, para a vida: ninguém faz um favor ao dar uma entrevista. O jornalista, sim, faz um favor às pessoas em divulgar informações de interesse.

Em algumas matérias, senti falta de aprofundamento com personagens e dados. É o caso do texto sobre o Agroleite, que acertou em falar sobre a participação de mulheres no campo -- tema que merecia mais exemplos.

Também senti isso nas matérias sobre o mercado editorial e de mulheres no hip hop, que poderiam ficar ainda melhores com entrevistas de pessoas impactadas (um escritor de PG que lançou livro online, outros exemplos de plataforma de publicação e artistas da cena local).

A matéria sobre o protesto no dia 2 de agosto foi veiculada mais de 20 dias depois. Seria o caso de "esquentar" o assunto com um factual. Também é importante cuidar com o uso de expressões de opinião.

Faltou serviço mais encorpado na matéria sobre as apresentações da orquestra, citando datas e horários. E sobrou serviço na matéria de comportamento no estádio.

Um destaque positivo é a sessão "O que aprendi com o Jornalismo", que valoriza histórias de estudantes em um formato que funciona.

Mais uma vez, friso que participei de jornais laboratórios, e por isso entendo que o trabalho passa por uma série de limitações. Falta de tempo, semana de provas, equipamentos defasados. Uma lista longa e que deve ser levada em consideração. Ainda assim, minha percepção é super positiva sobre o trabalho do Periódico. Vi um potencial imenso e uma qualidade impressionante para um jornal universitário. Avante, que o futuro é de vocês.

Entre em contato com os ombusman do Periódico pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.