IMG 20170915 WA0048
Foto: Gabrieli Kapp

Circo Di Sarah aposta em espetáculos com representações de super-heróis nos picadeiros

Desde que se consolidou como espetáculo, no fim do século XVIII, o circo atrai o interesse de vários artistas. E, apesar de não haver consenso de que o circo possui aproximações com o teatro, os dois são modalidades artísticas que estão dentro das linguagens cênicas, que são todas as formas de expressão que necessitam de uma representação, através do corpo, voz e talento gestual. Além disso, tanto o teatro quanto o circo envolvem música, dança, apresentação de narrativas e contato ao vivo entre artistas e público.


Algumas companhias circenses se apropriam de personagens popularizados na cultura de massa, como os da Marvel, por exemplo, para chamar a atenção do público. Neste caso, os artistas utilizam os mesmos figurinos, gestos e ações que os super-heróis representados também usam. Este é o caso, por exemplo, do circo Di Sarah, que está em Ponta Grossa desde sete de setembro.


A companhia atua há mais de 20 anos no Brasil. Formada inicialmente em Maringá, percorre o país, e tem como destaque as apresentações de acrobacia; o jogo cênico dos palhaços; a representação dos artistas em super-heróis retratados pela mídia, como os Transformers; e até com a presença do artista televisivo Bananinha.


Apesar de cativar o público infantil com o figurino expensivo e complexo dos personagens de super-heróis, a atuação dos artistas e até dos palhaços, em palco, deixa um pouco a desejar, já que dá a impressão de ser algo forçado e sem novidades. A questão da narração também possui a mesma característica, o que faz com que o narrador não consiga ganhar totalmente a atenção e a empatia do público. Além disso, observa-se que há a predominância de prioridades para as apresentações dos super-heróis, do que as dos palhaços, que convencionalmente, são a alma do circo. Já os acrobatas encantam a plateia com as habilidades que possuem e também pelo empenho e coragem de praticá-las. O que se vê, porém, é que nesse tipo de arte cênica, atualmente, conta mais o tipo de fantasia que se usa, do que os tipos de manobras realizadas e a qualidade das atuações nos picadeiros.

 

Serviço: O circo Di Sarah estará em Ponta Grossa até o dia 17 de setembro. O preço das entradas no meio de semana é R$5,00; nos finais de semana os preços chegam a R$15,00 para crianças e R$20,00 para adultos. Os espetáculos se iniciam às 20h30 e nos finais de semana são disponibilizados no período da tarde também.