Foto: Divulgação

 

Como você costuma ler um livro? Com a proposta do livro digital “O som dos bichos”, do Studio Cuca, é possível interagir com a narrativa a partir de smartphones ou tablet. A história infantil se passa em uma fazenda onde os animais perdem a voz e a aventura é descobrir de quem é o som que toca.

A narrativa e o aplicativo, disponíveis no Google Play (Android) e App Store (IOS), foram produzidas por Adrian Lincon, professor de letras inglês e Daniel Sanches, proprietário do estúdio, ambos de Ponta Grossa. A Cuca Studio é uma startup brasileira com objetivo de educar as crianças através da tecnologia e da diversão. Ao observar as crianças utilizando o livro digital percebe-se além da interação com a história, o exercício de paciência ao esperar o momento certo para continuar a história. Após a narração, ou leitura da legenda, é necessário que a criança aperte no local indicado para trocar de página.

As animações chamam a atenção das crianças. O aplicativo traz ilustrações em aquarela e os personagens se movem durante o enredo. A educação através de tecnologias é uma realidade atual, mas encontrar conteúdo adequado e gratuito para as crianças é sempre um desafio para os país, mas esse aplicativo pode ser uma boa opção de aprendizado lúdico para os filhos.

O som dos animais também disponibiliza a versão em inglês da história,basta o público escolher. A narrativa recentemente foi exposta no Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), em Curitiba, que reúne acadêmicos, desenvolvedores e entusiastas em pesquisa de jogos.

Serviço: No site http://cucastudio.com é possível conferir mais produtos, como por exemplo a astronomia ou o quebra-cabeça para crianças.

Foto:Danielle Farias

Livraria UEPG atende toda a comunidade desde 2001 no Campus Central e também de Uvaranas

Um espaço pequeno, ao lado de uma lanchonete e que conquistaria qualquer amante da literatura apenas pelo cheirinho de café e aquele odor típico de uma livraria. Ao menos deveria ser assim. Poucos conhecem e quem um dia ouviu falar da livraria UEPG mal sabe onde ela fica. Acadêmicos passam em frente ao local, outros entram na lanchonete, mas não desperta a curiosidade para conhecer e folhear alguns livros.

‘Por que fazemos o que fazemos?’ concorre na categoria de Economia, Administração, Negócios, Tursimo, Hotelaria e Lazer

Foto: Nicolas Ribeiro

Você já parou para pensar os propósitos que estão por trás daquilo que realizamos no dia a dia? Este é o principal tema do livro ‘Por que fazemos o que fazemos?’, do autor londrinense Mário Sérgio Cortella, lançado em 2016. A obra concorre na categoria de Economia, Administração, Negócios, Turismo, Hotelaria e Lazer da edição de 2017 do Prêmio Jabuti, a principal disputa literária do país.

O livro, dividido em 20 capítulos, trata das principais preocupações com relação ao trabalho na sociedade contemporânea. O autor aborda a importância do propósito nas ações, a relevância da motivação pessoal e do incentivo por parte dos líderes. O principal questionamento que Cortella traz na obra está presente no título do livro ‘Por que fazemos o que fazemos?’. Conforme o autor, achar uma razão pela qual realizamos as ações é essencial para se ter motivação e satisfação pessoal no trabalho.

Mário Sérgio Cortella é um autor que trata de questões sociais relacionadas à filosofia na contemporaneidade. Neste livro não é diferente. São 174 páginas de fácil compreensão, com motivações ao leitor e frases de filósofos como Marx, Heidegger e Hegel. Contudo, o exemplar é superficial e repetitivo em alguns trechos e, além disto, o título do livro gera uma expectativa que não é contemplada no desenrolar da obra até pela complexidade da pergunta, como ocorre geralmente, com as boas questões filosóficas.

A obra é uma das finalistas da 59ª edição do Prêmio Jabuti e concorre com livros que abordam temas como o racismo, governo Dilma, programas sociais, crises econômicas, Keynesianismo etc. As indicações para concorrer ao prêmio foram divulgadas no dia 3 de outubro e a cerimônia de premiação ocorre em 30 de novembro, em São Paulo.

Serviço: o livro pode ser encontrado na Internet e também nas livrarias da cidade pelos preços de R$ 18,90 a R$ 33,90.

A lista dos indicados para o Prêmio Jabuti pode ser acessada em: premiojabuti.com.br/apur

ATT56910 388x585
Foto: Divulgação


Livro Punhados de Cinzas reúne poemas de amores perdidos e lembranças que resistem

Punhado de Cinzas, livro de poemas lançado em 2017, é o terceiro escrito pelo pontagrossense J. P. Oliveira. Divido em três partes temáticas, o livro é intimista, lembrando o diário de um autor com desilusões, em boa parte amorosas, e que procura o equilíbrio entre a vida de escritor e cidadão comum.

Foto: Kimberlly Safraide

Autor dos romances “Relato de um Certo Oriente” (1989) e do livro que deu vida à minissérie global “Dois Irmãos” (2000), Milton Hatoum é a principal atração do 5º Congresso de Educação em Ponta Grossa, em bate-papo no dia 12, às 19h30, no Auditório do Colégio e Faculdade Sant’Ana. O romance “Cinzas do Norte” (2005) foi vencedor do Prêmio Portugal Telecom de Literatura. As obras de Hatoum, que também foi professor universitário, além de ser considerado um dos melhores autores brasileiros, narram famílias desestruturadas, o povoamento do norte do país e trazem tendências políticas - como críticas ao Regime Militar Brasileiro.