Foto: Divulgação

‘Que horas ela volta?’ é um filme brasileiro de 2015 com direção de Anna Muylaert que conta a história da pernambucana Val, interpretada por Regina Casé. Val trabalha como empregada doméstica e babá na casa de uma família de classe média alta em São Paulo. A protagonista mudou-se do Recife para São Paulo em busca de dar uma vida melhor para a filha, a qual deixou em Pernambuco. Treze anos depois fabinho, o menino que Val cuida desde criança vai prestar vestibular para uma das faculdades mais concorridas da cidade. Na mesma época, Jéssica, filha de Val, liga para a mãe buscando ajuda para ficar em São Paulo por alguns dias para fazer a mesma prova do vestibular.

Como Val mora integralmente na casa dos patrões, ela pede permissão para receber Jéssica, os quais concordam e são receptivos. Até que Jéssica começa a quebrar alguns protocolos da casa, como entrar na piscina, jantar na mesa dos patrões, circular livremente pela casa. A patroa incomodada com a situação pede que Jéssica saia da casa.

Val é considerada “quase da família’. A não ser pelo fato, dela não ser da família, mas sim a empregada. A qual tem que fazer as refeições na cozinha e não na sala de jantar, comer o sorvete mais barato da geladeira, não poder entrar na piscina, além de dormir no quarto dos fundos (sem nenhuma estrutura). O desconforto provocado com a situação de Val é válido na narrativa do filme, mas nem sempre é visível, comentado e assumido na vida real.

O filme retrata a realidade de diversas famílias que tiveram que se separar e migrar para o sudeste em busca de uma vida melhor. O longa confronta vários aspectos cotidianos da realidade brasileira, como a diferença social entre ricos e pobres, a relação patrão-empregado, a migração do nordeste para o sudeste. Na atual conjuntura nacional, com as reformas trabalhistas, terceirizações, perdas de direitos o longa que tem uma narrativa atual é um convite para a reflexão sobre as relações de trabalho.

O drama tem duração de aproximadamente duas horas e está disponível no Youtube. A classificação indicativa é de 12 anos.